sexta-feira, 4 de abril de 2014

REDAÇÃO DE ABRIL

Sim senhora... Eu fiz o trabalho sobre o mês de abril, sim, professora. O que? Ler aí na frente? Tá bom.

“O mês de abril. O mês de abril é um mês onde aconteceu muita coisa importante. Começou com Pedro Álvares Cabral que mentiu dizendo que ia pra Índia e veio pra cá. Por isso o dia primeiro de abril é o Dia da Mentira.
A viagem deve ter sido difícil, porque ele chegou aqui muito cansado e suado, todo derretendo, e os índios disseram que ele veio com cara de vela.
Quando o Pedro viu um monte de gente com pintura na cara, primeiro achou que era manifestação. Mas todo mundo estava parado, ninguém quebrou nada e não tinha tropa de choque no lugar. O Pedro pensou que devia ser Carnaval. Achou esquisito aquela gente fazendo Carnaval em abril. Foi isso que deu a pista pra ele descobrir que estava no Brasil. Meu pai diz que aqui o Carnaval é o ano inteiro. Por isso que abril é o mês do Descobrimento do Brasil.
Quando o pessoal do Pedro chegou, foi logo fazendo uma missa. Aconteceu numa sexta-feira, por isso até hoje a gente chama de Sexta-Feira Santa. Um padre esquisito com nome de peixe fazia coisa feia com os índios e, pelo que eu entendi, eles se vingaram e fizeram a mesma coisa com ele. Esse foi o dia em que os índios deram o troco, por isso, foi chamado de Dia do Índio.
Tinha um outro padre chamado José. Esse era bonzinho. Ele queria fazer missa em São Paulo. Como eles chegaram de barco, estavam na praia. Por isso o padre José resolveu fazer a Via Anchieta pra poder chegar no colégio que tinha um pátio onde ele queria fazer a missa porque rezar num pátio é melhor do que rezar no meio do mato como os outros estavam fazendo. Ele só chegou no tal do colégio em janeiro, mas parece que começou a fazer a estrada em abril. Como não tinha muita máquina moderna naquele tempo, levaram quase um ano pra terminar.
Tinha um dentista muito malvado que não sabia tratar canal, aplicar flúor, tirar placa. Ele só sabia arrancar os dentes de todo mundo. Naquele tempo ainda não tinha anestesia e aquilo doía muito. O cara ficou conhecido como Tiradentes e, porque ele era malvado, todo mundo queria prender ele. Mas ele morava no Rio de Janeiro e lá já tinha muito morro naquele tempo. Ele se escondia no morro e todo mundo da favela tinha medo de dedurar o dentista. Tinha um outro cara, chamado Judas, que tinha nascido no Rio mas fingia que era de outro lugar. Por isso todo mundo dizia que ele era o Judas Ex-Carioca. Parece que ele usava um nome falso, porque chamavam ele de Silvério. Ele já tinha costume de entregar todo mundo e entregou o Tiradentes. O dentista foi preso e foi enforcado na cruz. Depois ficaram sabendo que ele nem era tão ruim. Ele até era contra bebidas e participou de um movimento pra acabar com a Devassa. Mas aí já não tinha mais jeito. Pra se desculpar, resolveram fazer homenagem pro coitado do dentista e fizeram o Dia de Tiradentes.
O Pedro tinha um amigo chamado Pero Vaz. Eles até brigaram uma vez e o Pedro mandou ele embora gritando “Caminha!”. Mesmo assim, o tal de Vaz continuou amigo dele e escrevia cartas pra ele. Por isso, em abril, tem o Dia do Amigo.
Tudo o que o Pero Vaz escreveu foi guardado. Mandaram fazer um livro que saiu um ano depois, no mesmo mês. Foi um sucesso. Todo mundo comprou o livro assim que saiu e é por causa disso que criaram o Dia do Livro em abril.
Um tempo depois, um homem chamado Deodoro virou presidente. Ele não comia muito, só fazia regime e todo mundo teve que fazer também. Como ele era marechal, chamaram aquilo de Regime Militar. Meu pai diz que o Regime Militar começou em abril.
Todo mundo ficava com fome por causa do regime. Ninguém podia comer macarrão, nem tomar refri, nem comer doce. O pessoal inventou um truque. Começou a disfarçar chocolate em forma de ovo pra fazer de conta que ainda estava de regime. E assim foi inventada a Páscoa. Fim.”

O que, professora? Samba do quê? Do crioulo doido? Não, nunca ouvi esse samba. Eu gosto mais de funk. Como é que ele chama? Estanislau? Torce pra Ponte Preta? Ah... É o nome dele? Que nome esquisito. Mas, professora, não é feio dizer isso em classe? A senhora não tinha que dizer afro? Professora? Que foi? Posso ir sentar? Por que a senhora está chorando? Professora?